Município de Curitibanos, estado de Santa Catarina (SC)

Curitibanos encontra-se em um local privilegiado; além de belíssimas paisagens, e do forte traço tradicionalista deixado pelo tropeirismo Curitibanos está localizado no centro do estado de Santa Catarina.



Mais sobre :


Primeira bodas de prata celebrada em helicóptero no Brasil
Município Curitibanos
Unidade federativa SC  (24 )
DDD 49
Estado Santa Catarina
Cep Inicial 89.520-000
Cep Final 89.520-000
Latitude -27,2600
Longitude -50,5800
Altitude 987
Area KM² 953,6
Codigo Correios 8433
Codigo IBGE 420480
Censo Demográfico IBGE
Ano Masc Fem Total % Var.
1996 16862 17560 34422  
2007     37493 8,92 %
2010        
Localização

Curitibanos está situada no centro do estado de Santa Catarina, entre as coordenadas geográficas de 27º16’44” de latitude Sul e 50°34’57” de longitude WGR.

Limites

Norte : Fraiburgo, Lebon Regis, Santa Cecília
Sul : Ponte Alta, Correia Pinto, São José do Cerrito
Leste: Ponte Alta do Norte e São Cristóvão do Sul
Oeste: Frei Rogério e Brunópolis.

Principais Rios

Rio Marombas
Rio Canoas
Rio das Pedras
Rio das Correntes
Rio dos Cachorros

História

Como sabemos os primeiros habitantes de nossa região foram índios da nação Jé grupos Xokleng e Kainganges.

Otacílio Schuler Sobrinho, nos diz que “portugueses armados com farta munição saíram de Asuncion (entre 1644 e 1648) desceram pelo rio Paraná e volveram pelo caminho aberto pelos homens que acompanhavam o Governador Dom Luiz de Céspedes Xeria.

Com tudo metade acompanhado por mouriscos, abandonaram o local e foram se instalar entre os meridianos 50º, 30 e 51º, 10 no paralelo 27º, 40 isto é a área das atuais municipais de Campos Novos e Curitibanos”.

Origem do Nome

O nome Curitibanos vem do gentílico de Curitiba Curitibano.
Curiy – Pinheiro – tiba – bastante – Kuri­­-yty = pinheiral
Kuriih= Araucária – Kuriitihva = pinor = pinheiral
(Filipak, Francisco: Curitiba e suas variantes Toponímicas - Ensaio Histórico lingüístico, Curitiba 1999).

O bandeirante de Curitiba preador de índios, Guilherme Dias Cortes, passou por essa região e em 1679 elaborou uma carta geográfica onde dava nome aos lugares, um deles foi “os Curitibanos”.

Em 1727, o governador de São Paulo entregou o roteiro elaborado por Dias Cortes, ao sargento-Mor de cavalarias Francisco de Souza e Faria, para que ele abrisse uma estrada ligando o Sul a 5ª Comarca de Curitiba pertencente a São Paulo.

Souza e Faria, começou a estrada em Araranguá – SC em 11 de fevereiro de 1728. E em 1729, passou pelos Curitibanos, chegando a Curitiba em setembro de 1730, no dia de Nossa Senhora da Luz.

No verão do ano 1733/34, Cristóvão Pereira de Abreu com 130 tropeiros passaram por aqui comandando uma tropa (de muares) de 3.000 animais e das quais 800 eram suas e o restante de tropeiros anônimos.

Pereira de Abreu fez uma correção no roteiro de Souza Faria, dos Tajucas (Bom Jardim), atalhou por São Joaquim a parada dos Lagens (Lages), alcançando a picada de Souza Faria, um pouco depois de Ponte Alta.

A partir da primeira tropa, milhares de bovino e muares passavam por Curitibanos e aqui descansavam. O local passou a ser conhecido como "Pouso dos Curitibanos".

Em 1773, o capitão português Antonio Joze Pereira, membro da comitiva de Antonio Correa Pinto, fundador de Lages, veio com sua família morar na região e fundou a "Fazenda dos Curitibanos", e aqui viveu ate 1779, quando faleceu. A fazenda foi vendida João Xavier de Souza (também membro da comitiva de Correia Pinto) pela viúva Maria Thereza de Eyro.

De Curitibanos além da estrada que vinha do Rio Grande do Sul rumo a Curitiba, outras variantes foram sendo abertos, por Lebon Regis, Caçador, Porto União, Ponta Grossa-PR, ate Sorocaba-SP.

Para o litoral, Pouso Redondo, Rio do Sul, Blumenau, Itajaí, e a partir do término da estrada de ferro São Paulo-Rio Grande, em 1910 um ramal para Estação de Perdizes (Videira).

A partir da primeira tropa, milhares de bovino e muares passavam por Curitibanos e aqui descansavam. O local passou a ser conhecido como "Pouso dos Curitibanos".

Em 1773, o capitão português Antonio Joze Pereira, membro da comitiva de Antonio Correa Pinto, fundador de Lages, veio com sua família morar na região e fundou a "Fazenda dos Curitibanos", e aqui viveu ate 1779, quando faleceu. A fazenda foi vendida João Xavier de Souza (também membro da comitiva de Correia Pinto) pela viúva Maria Thereza de Eyro.

A "fazenda dos Curitibanos", provavelmente estava localizada na Lagoinha próxima a Lagoa Grande e as cinco primeiras pessoas mortas pelos índios, teriam sido sepultados no cemitério do Lageado.

A fazenda foi abandonada em 1783, devido um ataque dos índios ocorrido em 17 de outubro de 1782.

De Curitibanos além da estrada que vinha do Rio Grande do Sul rumo a Curitiba, outras variantes foram sendo abertos, por Lebon Regis, Caçador, Porto União, Ponta Grossa-PR, ate Sorocaba-SP.

Para o litoral, Pouso Redondo, Rio do Sul, Blumenau, Itajaí, e a partir do término da estrada de ferro São Paulo-Rio Grande, em 1910 um ramal para Estação de Perdizes (Videira).
Em 1807 a câmara de Curitiba aprovou uma Lei que determinava a criação de vários povoados ao longo do caminho das tropas, e um destes seria nos Curitibanos.

Em 1816, Atanagildo Pinto Martins, auxiliado pelo índio Jangong descobria o Prasso do Pontão no Rio Uruguai (hoje entre Campos Novos- SC e Barracão- RS, essa estrada tinha um ramal para Palmas-PR e outra para Curitibanos, ficou conhecida como “Vereda das Missões.”).

Em 1829, o capitão José Ferreira Bueno fez um oficio para a câmara Municipal de Lages pedindo um padre para catequizar alguns índios no “Novo povoado dos Curitibanos".

Em 1851, os quarteirões de Curitibanos e Campos Novos, passam a Distrito com o nome "Distrito de Curitibanos e Campos Novos Reunidos" cuja sede distrital era Campos Novos.

Em de marco de 1864, pela Lei Provincial N° 535, Curitibanos recebe o titulo de "Freguesia de Nossa Senhora da Conceição dos Curitibanos", passando a sede distrital.

Em 11 de junho de 1869, pela Lei Provincial 626 Curitibanos passa a município desmembrando-se de Lages.

Após a eleição dos membros da comarca de Curitibanos a Comarca de Lages determinou que dia 08 de abril de 1873, fossem o juramento e posse dos conselheiros (vereadores), do novo município.

Nesse dia em sessão solene na câmara de Lages tomaram posse em nome dos demais vereadores. Matheus Jose de Souza e Oliveira e Lucidoro Luiz de Matos.

Em conformidade com o regime monárquico dos conselheiros votados saiu, além dos mesmos, mais dois Juizes de Paz, um escrivão, que também era secretário da comarca, o procurador, que também era tesoureiro da comarca; fiscais e outros funcionários.

A primeira sessão do conselho (câmara) de Curitibanos aconteceu com a instalação oficial do município a 7 de Maio de 1873, e teve como Presidente o Cel Theodoro Ferreira de Souza, vereador eleito para câmara de Lages em 1868. Nomeado como primeiro juiz Municipal e também Intendente do Novo Município de Curitibanos do Termo da Comarca de Lages.

A Câmara ou Conselho Municipal tinha poderes além do Legislativo, Judiciário e através do Juiz Municipal e de Executivo através do Presidente.

Em 1891, foram desmembrados os três Poderes, e o Poder Executivo passou a ser exercido pelo Superintendente.

Não podemos precisar devido à queima 1914, por quanto tempo Theodoro Ferreira de Souza governou Curitibanos, mas até sua morte em 1885 conservou o cargo de Juiz Municipal.
Sabemos que seu substituto foi Cel Henrique Paes de Almeida que foi sucedido pelo Cel Elizario Paim de Souza que governou por pouco tempo provavelmente no ano de 1899, quando existe um despacho seu.

Ainda no campo das hipóteses em 1900, novamente assume o Cel Henrique Paes de Almeida.Depois do Cel Paim, novamente assume o Cel Henrique Pais de Almeida, pois um requerimento do presidente da comissão das fabriqueiros da Igreja-Major Marcos Gonçalves de Farias, enviado ao Superintendente Cel Henrique P. de Almeida.

O Cel Francisco de Albuquerque, governou o Município de 1902 a 1914, foi reeleito em 1910. Obs: Também neste ano 1910, foi eleito Deputado ao Congresso Legislativo, e em 23 de Maio de 1910 assinou a Nova Constituição do Estado, foi Vice-Presidente do Congresso Estadual e em 3 de Maio de 1917, como Presidente reconheceu o acordo de limites com Paraná, de 20 de Outubro de 1916.

Seu nome estava sendo cogitado para o Governo do Estado quando foi assassinado em dezembro de 1917.Em 1914, assumiu interinamente, sendo depois eleito para governar até 1918, o Cel Marcos Gonçalves de Farias.Em 1919 assumiu o Major Euclides Ferreira de Albuquerque, filho do Cel Albuquerque, que governou ate o final de 1922, sendo substituído no final do mandato pelo Cel Graciliano T. de Almeida.

Em janeiro de 1923 assumiu a Superintendência Municipal o Cel Henrique Paes de Almeida, conhecido como Henriquinho, filho do velho Cel Henrique Paes de Almeida, reeleito em 1926 historicamente confundido com o pai.
Em 12 de Dezembro de 1928, as Superintendências receberam a denominação de Prefeitura e os Superintendentes Prefeitos.

Henriquinho governou até Outubro de 1930 quando foi deposto.Em outubro de 1930, assumiu o Prefeito Antonio Granemann de Souza até maio de 1935.De maio de 1935 a setembro de 1937, o Cel Graciliano Torquato de Almeida.De setembro a dezembro de 1937, Alfredo Driessen.

Dezembro 1937 a fevereiro de 1940 Cel Graciliano T. de Almeida, sendo o ultimo coronel a governar Curitibanos.

Março de 1940 a novembro 1945- Sr Salomão Carneiro de Almeida.

Novembro de 1945 a fevereiro de 1946, Sr Heraclides Vieira Borges.

Fevereiro de 1946 a maio de 1947- Salomão Carneiro de Almeida.

De Maio a julho de 14947 – Sr Lauro Antonio da Costa.Agosto a dezembro de 1947 –Sr Luiz Balem.

Dezembro de 1947 a janeiro de 1951 – Sr Salomão C. de Almeida.

Janeiro de 1951 a janeiro de 1956 – Sr. Lauro Antonio da Costa.

Janeiro a junho de 1956 – Antonio Granemann de Souza.

Junho de 1956 a janeiro 1959 – Evaldo Amaral.

Janeiro 1959 a janeiro 1961 – Sr José Bruno Hartmann.

Janeiro 1961 a janeiro 1966 – Dr. Helio Anjos Ortiz.

Janeiro 1967 a janeiro de 1970 – Sr Wilmar Ortigari.

Janeiro 1970 a janeiro 1973 – Dr. Helio Anjos Ortiz tendo vice-prefeito Heitor Anjos Maciel.

Janeiro de 1973 a janeiro 1977 – Sr Onofre Santo Agostini e vice-prefeito Heins Albert Reichert.

Janeiro de 1977 a 1983 – Sr. Wilmar Ortigari e vice-prefeito Dr. Osny Bitencourt Batista.

Janeiro de 1983 a janeiro de 1989 – Sr. Armando Costa e vice-prefeito Dr. Valdir César Baretta.

Janeiro de 1989 a janeiro de 1993 – Dr. Ulysses Gaboardi Filho e vice-prefeito Sr Generino Fontana.

Janeiro de 1993 a janeiro de 1996 – Sr Generino Fontana e vice-prefeito Marilúcia Silva da Costa.

Janeiro de 1997 a janeiro de 2001 – Sra Marilúcia Silva da Costa e vice-prefeito Sr Wilmar Ortigari.

Janeiro 2001 a janeiro 2005- Sr Generino Fontana e vice-Prefeito Sr. Jose Righes.

De 2005 a 2008 Sr Wanderley Teodoro Agostini e vice Sr Vilmar Izidoro.

Sabemos que assumiram interinamente a Prefeitura de Curitibanos por curtos períodos os Srs:

Seslau Silveira de Souza

Luiz Balem

Dr. Luiz Moacir Farias Granemann

Além dos vice Prefeitos

Turismo

Curitibanos encontra-se em um local privilegiado; além de belíssimas paisagens, e do forte traço tradicionalista deixado pelo tropeirismo Curitibanos está localizado no centro do estado de Santa Catarina.

Cascatas, fazendas com marcas históricas, e os campos verdes de pastagem para o gado, fazem parte do cenário curitibanense que encanta pelo clima, aos seus 987 metros acima do nível do mar. De clima mesotérmico com temperatura média entre 15ºC e 25ºC, a cena dos campos cobertos de geada é comum nos meses de outono e inverno.

Como se não bastasse tanta beleza, a cidade é de fácil acesso, independente da região de onde se venha ou para onde se queira ir. Curitibanos é onde todos os caminhos se encontram, tornando-se ideal para o turismo de eventos.

Museu histórico Antônio Granemann de Souza
Tombado pelo estado é o principal atrativo turístico do município, principalmente devido ao grande acervo da Guerra do Contestado. Fundado em 1972 no prédio da antiga prefeitura, preserva móveis, porcelanas, moedas, documentos, armas, espadas da Guerra do Contestado e da época dos Tropeiros. Localização: Praça da República, nº. 20, fone (49) 3241-2393. Funcionamento: de terça à sexta-feira das 8:30 h até às 11:30 h e das 14:00 h às 17:00 h. Sábados das 9:00 h às 11:00 h e das 14:00 h às 16:00 h. Domingo das 9:00 h às 11:00 h, entrada franca.

Igreja Matriz Imaculada Conceição
É um dos atrativos culturais do município. O destaque é sua arquitetura portuguesa, os vitrais bizantinos e os afrescos renascentistas. A atual construção foi inaugurada em 24 de dezembro de 1960.

Marco Capão da Mortandade
Palco de uma das mais sangrentas batalhas da Revolução Farroupilha. No dia 12 de janeiro de 1840 os farrapos liderados pelo Giuseppe Garibaldi que marchavam com destino ao Rio Grande do Sul foram surpreendidos ao se depararem com o exército imperial. Depois de um intenso combate na Fazenda da Forquilha a 18 km da cidade, os Farrapos foram derrotados com elevadas baixas, tiveram que bater em retirada.No combate Anita acabou sendo presa, mas escapou seguindo em direção a Lages e depois para o Rio Grande do Sul. Os mortos desse combate foram sepultados em cova comum no lugar que ficou conhecido como “Capão da Mortandade”.

Monumento ao Monge João Maria
Monumento construído no período de 1983 a 1989 está localizado no bairro Água Santa. Construído em homenagem ao líder espiritual da Guerra do Contestado, João Maria D’Agostini, italiano nascido em 1801, Ermenita solitário, respeitado pelas pessoas humildes devido aos seus ensinamentos, conselhos, receitas de ervas , entre outras coisas.

João Maria recusava-se a dormir na casa de fiéis e tinha como “lar” qualquer árvore necessariamente próximo à água onde armava um quadrado de pano sobre quatro estacas.

Era um homem muito religioso, alguns dizem até ser um padre da Ordem de Santo Agostinho, o que não se tem provas. Antes da construção do monumento havia uma capela que pegou fogo no ano de 1983 devido a quantidade de velas acessas pelos fiéis.

Cariocas
São 02 (duas) cariocas tombadas pelo estado. As mesmas eram utilizadas pela comunidade local para o suprimento de água, porém hoje são poucos os moradores que lembram das mesmas.

O acúmulo de lixo despertou a atenção ONG (organização não governamental) Marco terra, que atualmente administra as cariocas visando o seu aproveitamento como atrativo turístico.

Gruta Santa Rita de Cássia
Localizada na Rua Archias Ganz, no bairro do Bosque. Local para rezas, contudo é dominado pelos marginais da cidade que utilizam como ponto de encontro noturno para o consumo de bebidas alcoólicas e drogas.

Parque Harry World
Centro para a prática do turismo em área natural. Possuí restaurante que serve comida típica tropeira aos sábados e domingos, centro de convenções, espaço para pescarias, piscinas naturais, “praia”, passeios de pedalinho, toboágua, playground, quadras de esporte, chalés para hospedagem, churrasqueiras, é palco de campeonatos de MotoCross.

Recanto Dona Elvira
Ótima opção de lazer, com muitas belezas naturais. Sua extensa área verde, araucárias seculares, degraus de rocha basáltica formando saltos e cachoeiras nos rios da região. Possuí área de camping e área para banho na orla do Rio Marombas. Localizado Rodovia sc- 470 distritos de Marombas, 14 km do centro.

Expocentro
Como nasceu a EXPOCENTRO: no ano de 1991, no auge da produção de alho e da colônia japonesa (hoje concentrada no município de Frei Rogério), sentiu-se a necessidade de realizar uma festa de âmbito estadual, seguindo o caminho de outras cidades catarinenses, dando oportunidades para empresários, comerciantes e a própria população curitibanense de se apresentar à Santa Catarina.

O município, pioneiro no estado em feira de terneiro, ganhava sua estrutura com um parque bem localizado, às margens da BR 470, o parque de exposições “Pouso do Tropeiro”, conforme contrato feito entre a Prefeitura, Sindicato Rural e Associação Agropecuária de Curitibanos, em forma de comodato, possibilitando assim um parque adequado para grandes eventos.

No mesmo ano a indústria e comércio receberam um pavilhão de exposições de 2 mil metros quadrados de área construída, onde 123 expositores tiveram o privilégio de darem início aos negócios. A feira de gado também recebeu estrutura própria, em construção de alvenaria, para exposição de gado a galpão e eqüinos, com dois pavilhões de mil metros quadrados cada.

MULTI FEIRA: A Edição deste ano da EXPOCENTRO marcará a realização da 16ª Feira da Industria, Comércio e Artezanato, e 16ª Exposição de Eqüinos, bovinos e ovinos a galpão. Ainda a 32ª Feira do Terneiro, 33ª Feira da Terneira, 34ª Feira de Reprodutores Bovinos e 37ª Feira do Gado Geral.

A feira do Gado originou a Expocentro e a cultura é destaque na região, pela qualidade do rebanho, por essas credenciais as feiras pecuárias da Expocentro são procuradas por compradores de diversas regiões de Santa Catarina, dos demais estados do Sul e compradores de estados da região Centro Oeste do país.

ESTRUTURA MODELO: O parque Pouso do Tropeiro é um dos mais bem estruturados do estado. Nele esta amplamente instalada a secretaria de agricultura e abastecimento do município e um bem montado centro de saúde.

O parque possui ainda estruturas fixas de: restaurante, pavilhão para exposição de industria comércio e artesanato, praça de alimentação, quiosques, 4 barracões para exposição de animais, pavilhão de remates, baias, centro administrativo para a comissão de organização, casa de imprensa, casa do pecuarista, estande da Cidasc e amplos banheiros sua área principal de circulação é revestida por asfalto ou lajotas e suas bilheterias são amplas e proporcionam fluência no transito do público.

Gastronomia

Devido à sua colonização por tropeiros, Curitibanos desenvolveu uma culinária peculiar, baseada principalmente nos costumes alimentares de seus fundadores. Dada a característica itinerante dos tropeiros, os pratos típicos da região são aqueles cuja elaboração, não exige uma infra-estrutura elaborada.

Podemos citar como exemplos mais significativos, o arroz de carreteiro, a paçoca de pinhão, a carne de porco frita, o virado de feijão e a couve refogada.
É interessante observar a ausência de pão e outros assados, permitindo a ausência de fornos e outros aparelhos que seriam inconvenientes.

Música

As tradições gaúchas são marcantes na região de Curitibanos, è o berço de vários grupos gaúchos, grupos como CTG, danças tradicionalistas,resgatando a dignidade do tropeiro.

Fonte: Prefeitura Municipal de Curitibanos

Ver o mapa e satélite da cidade de Curitibanos, em tela cheia ...

Sub localidades

Municipios Próximos

Mirim Doce - SC | Dist. linha reta: Km.
São Cristóvão do Sul - SC | Dist. linha reta: Km.
Ponte Alta do Norte - SC | Dist. linha reta: Km.
Frei Rogério - SC | Dist. linha reta: Km.
Brunópolis - SC | Dist. linha reta: Km.
São José do Cerrito - SC | Dist. linha reta: Km.
Monte Carlo - SC | Dist. linha reta: Km.
Ponte Alta - SC | Dist. linha reta: Km.
Lebon Régis - SC | Dist. linha reta: Km.
Santa Cecília - SC | Dist. linha reta: Km.
Fraiburgo - SC | Dist. linha reta: Km.
Correia Pinto - SC | Dist. linha reta: Km.
Vargem - SC | Dist. linha reta: Km.
Pouso Redondo - SC | Dist. linha reta: Km.
Otacílio Costa - SC | Dist. linha reta: Km.
Palmeira - SC | Dist. linha reta: Km.
Timbó Grande - SC | Dist. linha reta: Km.
Ibiam - SC | Dist. linha reta: Km.
Capão Alto - SC | Dist. linha reta: Km.
Taió - SC | Dist. linha reta: Km.
Campos Novos - SC | Dist. linha reta: Km.
Rio do Campo - SC | Dist. linha reta: Km.
Braço do Trombudo - SC | Dist. linha reta: Km.
Campo Belo do Sul - SC | Dist. linha reta: Km.
Cerro Negro - SC | Dist. linha reta: Km.
Lages - SC | Dist. linha reta: Km.
Tangará - SC | Dist. linha reta: Km.
Trombudo Central - SC | Dist. linha reta: Km.
Videira - SC | Dist. linha reta: Km.
Erval Velho - SC | Dist. linha reta: Km.

Bairros

Bairros da cidadeCep inicialCep final
Centro 89.520-000 89.520-999
São José